segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

Justiça feita a um dos maiores times do Mengão


Finalmente a CBF resolveu admitir o que todos já sabiam, o Flamengo, campeão de fato em 87, agora também é campeão de direito. Com a decisão, acaba a balela da "arcoirisada", que fingia acreditar em uma história mentirosa. O questionamento quanto a legitimidade do título foi algo que surgiu muitos anos depois, por uma geração que nem viveu a época, embasada em pura rivalidade cega e imbecil, alimentada por declarações de um tal ex-deputado, culpado pelo mal-entendido, mas que na época reconheceu o Flamengo como o campeão, inclusive em entrevistas.

Mas nessa segunda-feira, dia 21 de fevereiro de 2011, a justiça foi feita. Parabéns para nossa presidente, Patrícia Amorim, que depois de um 2010 pífio, iniciou o ano com tudo, arrasadora, do jeito que um verdadeiro craque formado na Gávea sabe fazer. Coisa que ela foi no seu esporte.

Quanto a taça das bolinhas, nem faço muita questão. Deixemos lá para que os bambis treinem pompoarismo anal. Nosso maior troféu é ver justiça feita a Zé Carlos, Jorginho, Leandro, Edinho, Leonardo, Andrade, Aílton, Zico, Renato, Bebeto e Zinho, TODOS, excessão a Aílton, com passagens pela Seleção. Sem falar em Aldair, Alcindo, Cantarelli e Nunes, que também participaram da campanha.

Minha mais sincera homenagem a esse TIMAÇO, que me ajudou, aos 5 anos, a solidificar o amor pelo Flamengo, alicerçado dois anos antes, ao conferir a reapresentação do Galinho na Gávea.



4 comentários:

Marcelo disse...

Belas palavras, Konder. E mais belo ainda é esse manto sagrado de 1987. Que saudade do manto de faixas largas. Mas enfim, esse é um dia para se comemorar. Foi desfeita a maior injustiça da história do campeonato brasileiro. Deus escreve certo por linhas tortas. Um abraço! SRN.

Mahet disse...

Não Existe Mais Asterisco.

Acabou. A ignóbil torcida arco íris, que alimentava a injustiça há anos propagada não possui mais argumentos e terão de engolir o maldito asterisco colocado ao lado do ano de 1987 toda vez que citavam os 6 títulos do Flamengo.

O único problema é que custo essa vitória poderá ter.

Logicamente não foi baseado em nenhum estudo bem detalhado entregue pelo Flamengo que o senhor Ricardo Teixeira decidiu reconhecer o título que o Mengão ganhou em campo.

Assim como, não foi por causa de uma análise jurídica que ele mandou (a entrega foi realizada pela Caixa baseando-se em documentos da CBF) a Taça das Bolinhas para o São Paulo.

O reconhecimento da CBF nesta Segunda apenas ilustra em que mãos encontra-se o nosso futebol. Se não ocorreram fatos novos ao longo desses anos, quer dizer que esta decisão poderia ter sido tomada desde sempre. Se ela não o foi é porque algum interesse existia. E este interesse é o mesmo de hoje: o poder.

http://amahet.blogspot.com/2011/02/nao-existe-mais-asterisco.html

Mahet disse...

Não Existe Mais Asterisco.

Acabou. A ignóbil torcida arco íris, que alimentava a injustiça há anos propagada não possui mais argumentos e terão de engolir o maldito asterisco colocado ao lado do ano de 1987 toda vez que citavam os 6 títulos do Flamengo.

O único problema é que custo essa vitória poderá ter.

Logicamente não foi baseado em nenhum estudo bem detalhado entregue pelo Flamengo que o senhor Ricardo Teixeira decidiu reconhecer o título que o Mengão ganhou em campo.

Assim como, não foi por causa de uma análise jurídica que ele mandou (a entrega foi realizada pela Caixa baseando-se em documentos da CBF) a Taça das Bolinhas para o São Paulo.

O reconhecimento da CBF nesta Segunda apenas ilustra em que mãos encontra-se o nosso futebol. Se não ocorreram fatos novos ao longo desses anos, quer dizer que esta decisão poderia ter sido tomada desde sempre. Se ela não o foi é porque algum interesse existia. E este interesse é o mesmo de hoje: o poder.

http://amahet.blogspot.com/2011/02/nao-existe-mais-asterisco.html

É dilson que o povo fala disse...

Parabéns R. Konder pelo blog. Também concordo com você: a camisa da Adidas com listras grossas, que vestiu os timaços da gloriosa da década de 80, sem dúvida alguma foi a versão mais linda do Manto Sagrado. Queria até fazer um movimento: "Volta Manto da década de 80", e se fosse sem patrocínio como em 83 por exemplo, seria mais lindo ainda.
Mais uma vez parabéns pelo inteligente blog.

Abraços do Edilson, paulistaníssimo rubro-negro. Isso mesmo, rubro-negro paulistano. Mengão rompe barreiras, xenofobismos, bairrismo e coisas outras típicas de seres humanos com baixa capacidade cognitiva.
"Mano, sou Mengão !".